domingo, 27 de julho de 2014

Metal All Stars: Chuck Billy confirmado no show de São Paulo


A produtora do evento Top Entretenimento anunciou Chuck Billy (Testament) e Zakk Wylde (Black Label Society) como as primeiras atrações confirmadas do Metal All Stars, projeto formado por várias estrelas da cena do hard rock e do metal mundial. O evento acontece dia 22 de novembro no Espaço das Américas, em São Paulo. Outros artista serão anunciados em breve de acordo com a página oficial do evento no facebook.


O Metal Allstars é composto por grandes nomes que juntos formam uma superbanda que homenageia os clássicos do rock mundial. O repertório apresentado nesta performance legendária contará com músicas das bandas de cada um dos membros, além de Ozzy, Pantera, Iron Maiden, Black Sabbath, Slayer, entre outros.

Blaze Bayley - Clash Club - São Paulo - 26/07/2014

Blaze Bayley e realmente um dos caras mais simpáticos do mundo musical. Em seu retorno aos palco paulistanos (ao lado de Tim "Ripper" Owens), o vocalista trouxe um repertório baseado em seus anos a frente do Iron Maiden e contou ainda com algumas pérolas de sua discografia solo, além de presentear aos fãs com um dueto com Tim "Ripper" Owens em "Wratchild". Histórico !! Confira a nossa galeria de fotos exclusivas deste show.

Fotos: Ronaldo Chavenco


Created with flickr slideshow.

Tim "Ripper" Owens - Clash Club - São Paulo - 26/07/2014

Considerado como um dos maiores vocalistas do cenário Metal, o americano Tim "Ripper" Owens (Ex-Judas Priest e Iced Earth) esteve em São Paulo ao lado de Blaze Bayley e fez uma apresentação espetacular com um repertório rechado de clássicos do Judas Priest. Confira a nossa galeria de fotos exclusivas deste show.

Fotos: Ronaldo Chavenco


Created with flickr slideshow.

terça-feira, 22 de julho de 2014

Metal All Stars: Produtora confirma Zakk Wylde no Brasil


A agência de publicidade Top Entretenimento que anuncio recentemente única apresentação no Brasil do altamente badalado projeto METAL ALLSTARS, composto por várias estrelas da cena do Hard Rock e do Metal mundial divulgou em sua página oficial o nome de Zakk Wylde como o primeiro confirmado na lista dos ícones do rock que retornam ao Brasil para este grande evento.

O projeto é composto por nomes de peso do Heavy Metal mundial e juntos eles formam uma super banda que homenageia os grandes clássicos do estilo. 

O repertório apresentado nesta performance legendária conta com músicas das bandas de cada um dos membros, além de Ozzy, Pantera, Iron Maiden, Black Sabbath, Slayer entre outros.

O Line up completo será divulgado nos próximos dias na página oficial do show no brasil.

O evento acontece em São Paulo no dia 22 de novembro no Espaço das Américas e os ingressos começam a ser vendidos em breve.

Para mais informações acompanhe a página oficial do evento.

segunda-feira, 14 de julho de 2014

Made In Japan ganha reedição

Um dos discos gravados ao vivo mais famosos do universo do rock, Made In Japan, do britânico Deep Purple , ganha edição para lá de especial (Universal Music, R$ 41,90 em média). A novidade chega às prateleiras em versão ‘De Luxe’ e traz dois CDs, do registro feito no Japão em 1972, nas cidades de Tóquio e Osaka, quando a banda estava em seu momento de glória e contava com Ian Gillan (voz), Jon Lord (teclado) e Ian Paice (bateria), Ritchie Blackmore (guitarra) e Roger Glover (contrabaixo).
Embalado em caixa de papel, o lançamento possui livreto com fotos da turnê, histórias da viagem e da gravação das apresentações, além de depoimentos de nomes como o guitarrista Slash. Remasterizado das fitas originais, os CDs somam 13 faixas.
O primeiro disco traz as músicas do disco original, entre elas estão a conhecida Highway Star, que abre o concerto, a balada Child In Time e o clássico da banda Smoke On The Water. O segundo álbum conta com seis composições extraídas das três noites que a banda tocou no país: duas versões para Black Night e para Speed King, além da canção Lucille. 

terça-feira, 1 de julho de 2014

O Maluco Beleza

Raul Seixas viu, foi e falou de tudo. Viu Cristo ser crucificado e também as bruxas pegando fogo para pagarem seus pecados. Disse a todos para terem fé em Deus e na vida. Aos desesperados, ele avisou para tentarem outra vez, bastando levantar a mão sedenta e recomeçar a andar. Ele foi a luz das estrelas e também as coisas da vida. Maluco beleza que só ele, o cantor e compositor baiano nascido 10 mil anos atrás completaria, na verdade, 69 de vida dia 28 de junho de 2014.


Artista que sempre esteve além de seu tempo, escreveu canções primorosas, falou de problemas da Amazônia e que o Brasil não era dos brasileiros. Utopia ou não, ele sonhou com a tal sociedade alternativa, e tudo isso em plena ditadura militar. Seu disco de estreia, Raulzito e os Panteras, foi lançado em 1968. Foi o primeiro passo para que diversos registros viessem em seguida: Krig-ha, Bandolo!, Gita, O Dia em que a Terra Parou, Abre-te Sésamo e Metrô Linha 743. No total são 22 álbuns lançados em vida, fora os póstumos e as edições especiais, como as caixas 20 Anos Sem Raul Seixas e 10.000 Anos à Frente.

Dono de cancioneiro roqueiro com sotaque baiano misturado com baião, tempero latino e um pouco de blues, Raulzito, como era carinhosamente conhecido, morreu no dia 21 de agosto de 1989, vítima de complicações do alcoolismo e diabetes. Mesmo quase 25 anos após sua morte e 40 anos após o lançamento de álbuns clássicos como Gita, seu legado segue firme e forte. Quem nunca ouviu em algum show musical o famoso bordão “Toca Raul?”

Celso Luiz, fotógrafo do Diário do Grande ABC, conviveu durante cerca de dois anos com Raul, de 1986 a 1988. A amizade nasceu despretensiosa. Celso conta que uma vez foi a uma coletiva de imprensa do baiano e o fotógrafo do Raul o convidou para ir até a casa do artista. “A partir daí passei a ir com frequência a casa do Raul. Passei também a registrar os shows dele”, diz. Uma das diversas fotos que Celso clicou de Raulzito rendeu a contracapa do disco Uah-bap-lu-bap-lah-béin-bum. “Recebi o que seria hoje algo em torno de R$ 1.500 pela foto, além de dez LPs, pena que não tenho mais nenhum deles.”

Celso conta que Raul era extremamente acessível. “Cheguei a levar alguns amigos meus para conhecê-lo. Ele acordava e bebia uísque com refrigerante, à tarde ficava meio ‘alto’ e chorava”, recorda-se. Mas Celso diz que Raul era muito inteligente e simples. “Ele era único, diferente de tudo, não vivia com luxo, na sua casa não tinha móveis. Tenho boas lembranças daquele período, aprendi muito com ele, aprendi também a gostar de boa música.”

Entre as parcerias que o músico teve, duas delas ficaram marcadas. A com o escritor Paulo Coelho rendeu canções como As Minas do Rei Salomão e A Hora do Trem Passar, entre outras. Outro que marcou presença na carreira do ‘Maluco Beleza’ foi Marcelo Nova. A parceria, que teve início em 1988, foi convite do próprio Marcelo, após Raul ter se afastado dos palcos por algum tempo. O resultado? Um disco de peso chamado Panela do Diabo, assinado pelos dois.

E foi na turnê dessa parceria que o fã andreense Alexandre Bachega conseguiu ver seu ídolo de perto, em dezembro de 1988, no palco do Clube Atlético Aramaçan, em Santo André. “Raul já estava doente, não tinha mais a energia que tinha nos palcos, mas foi algo indescritível, ver um dos meus ídolos de perto. Eu estava próximo ao palco, portanto, apenas a alguns metros do Raul, foi uma emoção que nunca vou esquecer”, afirma.

Bachega foi fisgado pela música de Raul aos 14 anos. Hoje, aos 42, ele continua apaixonado pela obra do baiano. “Raul foi um meteoro que passou pela música brasileira. Quase 25 anos depois de sua morte, a legião de fãs dele só cresce. Tenho um exemplo em casa, meu filho, Luiz Fernando. Quando perguntam o que ele mais gosta de ouvir, ele responde sem pensar: Beatles e Raul Seixas.”

Outro nome de Santo André que teve bom contato com Raul é o guitarrista, cantor e compositor Sérgio Vicentini, conhecido como Sérgio Papagaio. Hoje com 61, e em trabalho de gravação de seu próximo disco solo, o músico, que já passou por grupos como O Terço, tocou com Raul no início dos anos 1980. Hoje, contando é divertido, mas Papagaio diz que viveu vários apuros com o baiano.

“Eu estava nas piores roubadas do Raul”, brinca. Uma delas foi no espaço Adrenalina, em São Bernardo. “O Raul não aparecia, então liguei para a mulher dele e ela disse para eu ‘sumir de lá’, pois o Raul havia sido internado e não apareceria. Havia umas 10 mil pessoas lá dentro e mais um monte do lado de fora. Saí de lá com medo.” Segundo o guitarrista, o público chamava por seu ídolo e o DJ local teria ofendido Raul no microfone. “O lugar veio abaixo e nunca mais reabriu.”

Mauro Ross, de Mauá, canta as músicas de Raul desde 1982 junto da banda Ecologia. Aos 54, ele toca com o filho, usa barba e roupas iguais às de Raul. “Tem gente que me confundia com ele quando ele era vivo. Eu já tive que mostrar RG para provar que não era ele”, diverte-se. “Vi o Raul ao vivo em São Caetano. Ele estava atrasado, chegou em um Fusca, desceu e foi direto para o palco. Parece que ele é imortal, onde eu toco, vejo gente de todas as idades cantando as músicas dele.” 

Foto Raul Seixas: Celso Luiz.

terça-feira, 27 de maio de 2014

Gustavo Macacko lança disco

Descendente de família nordestina, capixaba de coração, goiano de nascença e mineiro no registro, o músico e compositor Gustavo Macacko lança o CD Despontando para o Anonimato. Com influências de Belchior, Sérgio Sampaio, Rubem Braga e a escola Arnaldeana como o próprio define, entre o Baptista e o Antunes, Gustavo Macacko traça sua musicalidade e narra seu roteiro "Despontando para o anonimato”. 

O instigante conceito que intitula seu novo trabalho, transita entre uma crítica sobre a atual necessidade de auto promoção social e a força de quem acredita na realização. O músico se pauta nas referências cinematográficas e no misticismo dando sentido imagético a força do número 3. E assim, decidiu lançar seu álbum em 3 trilogias que contariam todo esse processo de mergulho artístico e emocional. Um triângulo de possibilidades pautado em personagens e heterônimos, sentidos imagéticos e crônicas sobre relacionamentos. O lançamento será realizado em 3 etapas: a partir de Maio, cada mês 1 trilogia será lançada na internet, e ao final dos 3 meses, em Julho, o álbum completo com 9 canções, terá sua distribuição física e online.

Trata-de de um álbum com canções que narram as histórias, as vivências  e influências do autor, nesse processo de mudança para o Rio de Janeiro há três anos atrás.  Durante esse período conheceu Shilon Zygiel e o convidou para a produção musical. O álbum foi todo gravado,  no estúdio de Shilon - que é diretor do Circo Voador e tem vasta experiência no mercado musical - em Vargem Pequena no Rio de Janeiro, e traz uma aura de quem pôde se isolar um pouco dos vícios da cidade e mergulhar profundamente nas questões existenciais necessárias pra se alcançar um conceito que dialogue com as músicas.  

Julia Bosco,  artista que vibra uma sensibilidade pulsante, foi convidada para dividir os vocais e representar a força da energia feminina em “Mulher Independente”. E o pernambucano Otto, faz uma participação, na primeira parceria dos dois, chamada “Cada Fernando uma Pessoa”, uma homenagem ao poeta Fernando Pessoa e seus heterônimos.

A banda base foi formada por três músicos capixabas que o acompanham desde os tempos que morava no ES. Caio Metteoro (bateria), Tatiana Mancebo (vozes e escaleta) e Bruno Massa (baixo e voz) o mantiveram muito próximo as suas raízes. Com o entendimento que a junção entre o que estamos nos tornando e de onde viemos é um equilíbrio que traz legitimidade e autenticidade pra obra. Junto aos teclados de Pedro Augusto (Chuck Berry, Lulu Santos, Engenheiros do Hawaii) e as guitarras de Shilon Zygiel o álbum evidencia esse diálogo que é uma das chaves dessa experiência sonora.  Contou também com as participações essenciais de grandes músicos: Pedro Mibielli (Violinos, Viola e Arranjo de Cordas), Pepê Barcellos (Guitarras) , Oswaldo Lessa (Sax), Dudu Santana (Trompete) e Fabrizio Iorio (Melotrom).

O álbum físico será em formato de Bíblia e a pré-venda será através do site Embolacha, com 333 exclusivos exemplares da Bíblia destinados aos fiéis, onde o ouvinte desconstrói sua própria lei e faz seu mergulho interior.

Gustavo Macacko é um artista multifacetado, lançou seu primeiro disco solo em 2010 intitulado "Macaco, Chiquinho e o Cavalo" convergindo música, literatura, cinema, poesia e fotografia. É idealizador do grupo capixaba percussivo autoral Bloco Bleque, e já realizou turnês pela Europa, passando pelo festival de Montreux na Suíça e a Tomada da Bastilha na França. Em parceria com Gabriel Pensador, lançou a música tema do game Fifa Soccer 12 e do Campeonato Brasileiro 2012 no Sportv, chamada “Só tem Jogador”. 
Recém chegado ao Rio de Janeiro, foi idealizador e assina a direção musical e artística do "Nu Jardim dos Encontros e Desencantos", um encontro trimestral que já está indo para a sua oitava edição, com o objetivo de semear parcerias e oxigenar a cena autoral integrando artistas, profissionais da área musical e cultural em um ambiente intimista e promissor.
Seu mais recente projeto junto com Julia Bosco, chama-se “Cabine 103”. Os dois se conheceram e reconheceram quase que imediatamente a força de uma paixão comum: o também capixaba Sérgio Sampaio. O projeto é uma homenagem a esse compositor, que ainda em vida recebeu a controversa alcunha de maldito e saiu de cena cedo, aos 47 anos, deixando por aí muito misticismo em torno de sua vida, obra e morte.

Vagas de trabalhos na internet: Moda, tecnologia, meio ambiente e muito mais